História do Voleibol – Inventor e Evolução

A história do voleibol tem mais de 100 anos. Conhecido como: vôleibol, bolavoleivólei. Este esporte é praticado oficialmente por mais de 140 milhões de pessoas em todo o mundo. No EuQueroSaberTudo.com, explicamos a sua origem, também quem inventou o voleibol, a sua evolução, o que é e como se joga.

origem e história do voleibol

Quem inventou o voleibol

O inventor do voleibol é o americano William George Morgan (1870-1942), no ano de 1895 nos Estados Unidos, inicialmente dando-lhe o nome de mintonette.

William George Morgan, criador do voleibol em 1895
William G. Morgan

Durante seus estudos no Springfield College, pertencente à associação YMCA, William G. Morgan conheceu o inventor do basquete, James Naismith, e logo começou a praticar o esporte.

Em 1894 foi nomeado diretor de educação física do YMCA de Holyoke (Massachusetts), podendo constatar que o jogo de basquete não se adaptava a todos os alunos.

Por isso, pensou em criar um jogo recreativo, sem contato físico, mas que permitisse um esforço intenso e com o mínimo de risco de lesões.

Em sua opinião, o tênis tinha essas características, mas o material a ser utilizado era pouco prático para atividades em grupo.

No entanto, ele pegou a ideia da rede e colocou-a a uma altura de 1,98 metros (acima da altura de um indivíduo normal). Além disso, testou várias bolas, até acabar mandando fabricar uma especial, mais leve que o basquete. Tudo isso aconteceu em 1895.

Durante uma conferência de diretores de PE da YMCA em Springfield, Morgan apresentou o voleibol. Nesta palestra, o professor Alfred T. Halstead sugeriu mudar o nome original do jogo, mintonette, para um mais apropriado: volley-ball (jogar a bola).

As primeiras regras do voleibol foram publicadas em 1896. Esses regulamentos foram evoluindo ao longo do tempo, dando ao jogo mais vivacidade e dinamismo. O número de jogadores e passes era limitado, definindo as medidas do terreno e a altura da rede.

A título de curiosidade, nas primeiras regras do voleibol o número de participantes era ilimitado, permanecendo nos atuais 6 em 1914.

De acordo com um estudo realizado pela UNESCO, existem mais de 140 milhões de jogadores de voleibol no mundo.

História do voleibol

Desde sua invenção, o voleibol experimentou uma rápida difusão e expansão em todo o mundo.

Assim como no basquete, os vários oficiais da YMCA espalharam o voleibol pela América do Norte e Canadá. Logo depois, Elwood S. Brown o apresentou às Filipinas.

Como surgiu o voleibol?

Em 1908, Heizo Omori fez o mesmo no Japão, e em 1913 o voleibol já estava incorporado ao programa dos Jogos do Extremo Oriente, disputados em Manila, com a vitória da seleção filipina.

Da China, o voleibol chegou à Rússia asiática, o que por sua vez influenciou a subsequente disseminação desse esporte no Leste Europeu.

Entre 1917 e 1930, o voleibol foi descoberto pelo resto dos europeus graças aos soldados americanos deslocados durante a Primeira Guerra Mundial e ao estabelecimento de centros YMCA. Em 1923, a Federação Tcheca de Basquete e Voleibol tornou-se a primeira do gênero.

Durante os Jogos da América Central e do Caribe, os cubanos organizaram o primeiro torneio de vôleibol sob regras americanas, com a vitória do México.

Pouco antes da Segunda Guerra Mundial, aconteceram as primeiras partidas internacionais de vôleibol, especialmente entre poloneses e franceses. Em 1945, Harold T. Friermood, membro do YMCA, trabalhou decisivamente para manter essas reuniões, tentando amenizar, de certa forma, os efeitos negativos da guerra sobre a prática desse esporte.

Em 27 de agosto de 1946, em Praga, a seleção tchecoslovaca enfrentou os franceses diante de cerca de 5.000 espectadores. Na véspera, no Café Smicho, delegados de vários países se reuniram e foi decidido que em 1947 o congresso constituinte da Federação Internacional de Voleibol (FIVB), fundada por 13 países, seria realizado no dia 20 de abril, em Paris.

História das competições de vôleibol

Em 1948 foi realizado o primeiro Campeonato Europeu, em Roma (Itália). Este torneio é atualmente semestral, ou seja, é realizado a cada 2 anos.

principais competições de voleibol

Por outro lado, em 1949 os campeonatos mundiais começaram na cidade tcheca de Praga. Esta competição tem a duração de quatro anos, ou seja, é realizada a cada 4 anos. Nas competições de clubes, destacam-se:

  1. Copa da Europa: começou em 1960 e em 2000 mudou seu nome para Liga dos Campeões da Europa. Em 2008 mudou novamente de nome para CEV Champions League.
  2. CUP CEV: inicialmente, em 1973 chamava-se Recopa de Europa e desde 1981 tem o nome atual (CEV CUP em inglês).
  3. Supertaça Europeia: criada em 1987, foi realizada todos os anos até desaparecer em 2000. Originalmente era disputado pelo campeão da Taça da Europa e da Taça CEV.

O voleibol foi incluído no programa olímpico nos Jogos de Tóquio 64, com triunfo da União Soviética nos homens e do Japão nas mulheres. A lista de times campeões olímpicos de vôlei é:

  • Tóquio, 1964: URSS nos homens e Japão nas mulheres.
  • México 1968: URSS (em homens e mulheres).
  • Munique, 1972: Japão em homens e URSS em mulheres.
  • Montreal 1976: Polônia e Japão.
  • Moscou 80: o dobro da URSS.
  • Los Angeles 1984: EUA e China.
  • Seul 1988: EUA e URSS.
  • Barcelona 1992: Brasil e Cuba.
  • Atlanta 1996: Holanda e Cuba.
  • Sidney 2000: Iugoslávia e Cuba.
  • Atenas 2004: Brasil e China.
  • Pequim 2008: EUA Brasil.
  • Londres 2012: Rússia e Brasil.
  • Rio 2016: Brasil e China.

Como você pode ver, a ex-União Soviética (URSS) é o time que mais venceu nos Jogos Olímpicos: três nos homens e quatro nas mulheres.

O que é voleibol

O voleibol é um esporte coletivo que pode ser praticado tanto ao ar livre quanto dentro de casa. É um dos poucos esportes coletivos sem contato físico entre os jogadores.

o que é voleibol definição
A: Zona de serviço. B: Zona defensiva. C: Zona de ataque. D: Rede na linha central. E: Zona franca. F: Altura masculina. G: Altura feminina. H: Altura do jovem

O campo de jogo é um retângulo de 18 x 9 metros, dividido em duas partes iguais por uma linha central. A três metros desta está a linha de ataque, que delimita a zona ofensiva.

A rede varia em altura. Nos homens mede 2,43 metros e nas mulheres 2,24 metros. No topo da rede existem duas barras que se projetam 0,80 metros e delimitam o espaço por onde a bola deve passar.

No final do campo, fica a área de serviço, com largura de três metros. Cada uma das duas equipes que se enfrentam é composta por seis jogadores em campo e no máximo seis suplentes.

Regulamentos de voleibol

Antes de iniciar cada set, as duas equipes devem dar a ordem de rotação. Consiste em colocar os jogadores em uma determinada posição no campo.

O campo de jogo é imaginário dividido em duas zonas: zona de ataque e zona de defesa. Antes de cada serviço (saque), encontraremos três atacantes e três defensores.

Quais são as regras básicas do voleibol?
Antes de cada set, os jogadores devem se distribuir em uma determinada posição. A cada novo serviço próprio eles mudam de posição seguindo a direção das agulhas do relógio na rotação.

Os atacantes ocuparão, da direita para a esquerda, as posições 2, 3 e 4. Os defensores, 1.6 e 5. A ordem de rotação será sempre a que é entregue antes de cada set, sendo o não cumprimento motivo para falta.

Após cada recuperação do serviço, a equipe deve mudar de posição no sentido horário. O jogador que ocupou a zona 4, na próxima rotação deve ocupar a zona 3, e assim por diante.

A rotação só tem que ser mantida no momento do serviço, pois uma vez que a bola está em jogo, podem ser feitas todas as mudanças de posição que se deseje. Durante o jogo, no entanto, apenas os atacantes podem atacar ou bloquear a bola. Se um defensor realizar tais ações, será considerada uma falta (exceto chutes de trás da linha de ataque).

A bola é posta em jogo através do serviço, que não deve tocar na rede, mas deve passar entre as barras e cair no campo adversário.

Depois de realizado o serviço, cada equipe pode realizar no máximo três toques. A primeira é chamada de recepção e geralmente é realizada com uma passagem do antebraço no filtro; a segunda é a colocação, normalmente realizada com a passagem do dedo, e a terceira é o leilão.

É considerada falta se a equipe fizer quatro toques (se a bola tocar primeiro no bloco, três toques ainda podem ser feitos).

Apenas a equipe dona do serviço pode somar pontos. Assim, se um ponto é feito sem sacar, há uma recuperação da bola (troca de saque).

Um ponto é obtido quando a bola toca o solo da equipe adversária ou a equipe adversária comete uma falta.

Entre as várias falhas temos:

  • Retenção: quando a bola não é rebatida, mas empurrada ou conduzida.
  • Duplas: Execute duas ou mais tacadas na mesma ação de um jogador (exceto ao receber o saque e bloquear).
  • Invasão: Vá para o campo oposto.
  • Toque na rede.
  • Bater na bola com as partes do corpo que não são permitidas (é permitido bater da cintura para cima).
  • Quando a bola toca o solo do próprio campo.
  • Acabe com a bola quando estiver no campo adversário.
  • Pegue um serviço que não vá diretamente para o campo.

Uma equipe vence a partida quando consegue três sets, permitindo até cinco sets a serem jogados. O set é alcançado quando são alcançados 15 pontos, levando pelo menos dois pontos à frente da equipe adversária.

Se assim não fosse, continuaria a ser disputado até a vitória por dois golos, mas apenas até atingir os 17 pontos. Nesse placar, o set é ganho mesmo que não tenha dois pontos de vantagem. Assim, por exemplo, o set pode ser ganho com um resultado de 17-16.

No quinto set, um ponto é marcado sempre que a equipe adversária comete uma falta, e mesmo que o saque não seja obtido.

As partidas de voleibol são conduzidas por um primeiro árbitro, segundo árbitro, marcador e dois auxiliares de linha que formam a equipe de arbitragem. O 1º árbitro é o diretor do jogo e quem toma as decisões finais.

O segundo árbitro atua como um assistente e é responsável por controlar a rede, a linha central e possíveis faltas de rotação da equipe.

A função do apontador é manter os minutos da partida, enquanto os bandeirinhas se encarregam de monitorar as linhas de defesa e laterais mais próximas.

Vôlei praia

Junto com o vôlei convencional, não podemos esquecer uma modalidade intimamente relacionada a ele e de enormes raízes populares: o vôlei de praia.

origem do vôlei de praia

O facto de a bola não ter de ser atirada e a possibilidade que a areia oferece de fazer pratos e cair sem perigo deram origem a este divertido jogo, praticado informalmente por milhões de pessoas nas férias de verão.

A Federação Internacional de Voleibol tem atuado sobre o assunto e regulamentado essa modalidade, que teve sua origem há poucos anos nas praias da Califórnia.

Embora os campeonatos mundiais sejam realizados desde 1987, os regulamentos não estão totalmente definidos. No entanto, podemos falar de duas grandes especialidades: amadoras e profissionais.

Na primeira, jogam quatro jogadores por equipe (pode ser misto), a área de serviço é toda a linha de base, os zagueiros podem aderir ao ataque e as partidas são disputadas em três sets de 12 pontos (máximo 14), com desempate. No terceiro.

Cada equipe profissional de vôlei de praia é composta por dois jogadores, com troca de campo ocorrendo a cada cinco pontos, com intervalo intermediário de meio minuto.

Esta modalidade tem grande difusão nos Estados Unidos, Brasil e Itália, com destaque para o histórico e poderoso casal americano formado por Sinjin Smith e Randy Stoklos.

Como jogar vôlei

Para jogar vôlei ou entender esse jogo, há uma série de conceitos que devem ser claros e saber como funcionam. Vamos ver em detalhes e aprender a jogar vôlei passo a passo:

como jogar vôlei

Posições fundamentais

Para obter o máximo desempenho na aplicação de gestos técnicos, é essencial partir de algumas posições básicas que nos permitirão realizar o gesto corretamente.

Posição fundamental média

Geralmente é o mais usado. Suas características podem ser resumidas como:

  • Os pés ligeiramente separados na largura dos ombros e, de acordo com a posição no campo, teremos um pé na frente do outro.
  • As pernas dobradas, com o peso do corpo distribuído entre elas.
  • Braços relaxados, mas tensos.
  • O calcanhar da perna de trás, levantado.

Também podemos distinguir as posições altas e baixas, que são classificadas pelos diferentes graus de flexão das pernas.

Deslocamentos

Os deslocamentos usados ​​são geralmente curtos, mas rápidos. Um bom movimento nos permitirá a execução posterior de qualquer gesto técnico ou mesmo antecipar a ação dos adversários. Dentre as diversas formas de deslocamento, temos:

  • Passo simples, é o passo normal, e pode ser usado para frente, para trás ou lateralmente.
  • Passo adicionado, esta forma de movimento nos permite manter a posição fundamental sem alterá-la. Começa com o pé da direção para a qual iremos e o outro pé se aproxima mantendo a posição fundamental, passo usado no boxe.
  • Passo duplo: Usado em longas distâncias. Você começa com o pé para trás, para ir para frente ou vice-versa, se for para voltar.
  • O salto.
  • A corrida: Usada especialmente para longas distâncias.

Passar

A passagem do dedo é um dos elementos básicos do voleibol. Entre as várias formas de passe de dedo podemos distinguir o passe para a frente ou para a frente, o passe para trás, o passe lateral e o passe suspenso.

Passar frontal

Para realizar esta passagem, você começa da posição fundamental. Colocaremos as mãos simetricamente na altura da testa, deixando as palmas voltadas para cima e para dentro. Os dedos estarão abertos e semiflexionados e os polegares em oposição. Os braços também estarão semiflexionados e na altura dos ombros. Para realizar o movimento, faremos uma extensão progressiva de todo o corpo (movimento de mola). O golpe deve ser dirigido com os dedos e não com a palma da mão.

Passar de volta

Difere do passe frontal pela maneira como se posiciona diante da bola. Nesse passe, o jogador fica diretamente sob a bola e estende os quadris, tronco e braços para trás no momento do passe.

Passar lateral

Também partindo da posição fundamental, a bola é rebatida lateralmente e para baixo. O braço externo é mais esticado na ponta e o interno mais dobrado. O tronco realiza uma flexão lateral na lateral do passe.

Passar de suspensão

Este passe é feito no ar, após um salto. O jogador deve tocar a bola durante a subida ou no momento de máxima altura ou suspensão, mas nunca durante a descida do salto. Nesse passe, os braços ficam mais estendidos no momento da rebatida.

Erros mais frequentes

  • Começando de uma posição incorreta.
  • Cotovelos excessivamente abertos.
  • Mãos planas.
  • Uso exclusivo de armas.
  • Não execute extensão progressiva do corpo.

Metodologia

Para la adquisición correcta del gesto del pase de dedos es recomendable empezar con formaciones de ejercicios estáticos simples, en los cuales los jugadores no tengan que preocuparse en realizar otras tareas complementarias. Progresivamente, podemos pasar a ejercicios más dinámicos y complejos.

O levantador

A figura deste jogador é de vital importância no voleibol. O levantador é o dealer do jogo, então ele deve dominar as diferentes formas de configuração do passe à perfeição. Além disso, ele deve ter uma ótima visão de jogo, tanto da própria equipe quanto do adversário.

O sucesso de um ataque vai depender em grande parte do trabalho do levantador, que deve se adaptar às características dos demais jogadores. Sua missão, além da colocação, é posicionar a bola nos locais mais vulneráveis ​​da equipe adversária (bloqueio fraco).

Recepção

A recepção ou passe com o antebraço é usado para pegar a bola e direcioná-la para o local do levantador. Este passe tem o seu significado, fundamentalmente, antes de um serviço ou antes de um remate da equipa adversária.

como pegar vôlei

Execução

Como em qualquer outro elemento técnico, deve partir da posição fundamental. Os braços devem estar retos e firmes, abraçando uma mão na outra. Os antebraços devem ser unidos nos cotovelos.

Além disso, os braços estão inclinados para frente no momento do golpe (não paralelos ao solo), o que significa que a bola vai para frente e não para cima.

No momento do golpe, o ângulo formado entre os braços e o tronco deve ser mantido. A ação dos braços é mínima, sendo sua missão amortecer o golpe (auxiliado pela articulação do ombro). O acerto da bola é auxiliado, fundamentalmente, pela ação das pernas, que devem parar de se flexionar naquele momento. A zona de contato da bola está localizada no terço médio do antebraço.

Erros mais frequentes

  • Faça o golpe exclusivamente com o movimento dos braços, sem o movimento de mola.
  • Bater com os pulsos.
  • Não estenda os braços.

Serviço

O saque ou saque é a forma técnica de colocar a bola em jogo. Deve ser considerado como a primeira forma de ataque. Os serviços devem ter as seguintes qualidades: posicionamento, segurança e potência.

serviço de vôlei

O sacador deve tentar colocar a bola na quadra do adversário (saque seguro), nas áreas mais fracas da equipe adversária, o mais distante do ponta-de-lança e, se houvesse apenas um levantador adversário, em direção a ele para que na segunda ação não pudesse colocar.

Dependendo das diferentes formas de serviço, mais ênfase será colocada em uma qualidade do que em outra. Nas diferentes formas de serviço podemos distinguir dois grandes grupos: atende de baixo e atende de cima.

Entre os saques abaixo, encontramos o saque abaixo da frente e na lateral. Entre os saques de cima temos o saque de gancho e tênis.

Tire de baixo para a frente

O jogador se orienta em frente ao campo. O pé oposto ao braço do executor está na frente e os joelhos ligeiramente flexionados. A mão oposta ao braço de execução segura a bola, colocando-a na frente do corpo.

O golpe começa com um movimento pendular do braço executor que vai de trás para frente, acertando a bola com a palma da mão e na parte inferior da bola. No momento de bater a bola deve estar no ar.

O movimento do braço executor é acompanhado pela perna traseira, que passa para frente, facilitando a execução do golpe. Este saque é seguro, de pouca potência e pode ser facilmente colocado no local desejado.

Chute lateral

O jogador fica com o eixo dos ombros perpendicular à rede. O braço não executor segura a bola na frente do corpo. A perna traseira está ligeiramente dobrada.

No momento de bater a bola é lançada para frente e para cima, o braço executor vem de trás estendido e paralelo ao solo e a perna de trás é estendida. A rebatida não é mais tão marcante na parte inferior da bola.

Este saque é mais forte que o anterior e sua trajetória de vôo é mais curta.

Saque de tênis

O jogador se orienta de frente para o terreno. O pé oposto ao braço do executor está ligeiramente para a frente. O braço executor, antes do serviço, está relaxado. No momento da rebatida, o outro braço, que segurava a bola, a lança para o alto.

O braço de execução, enquanto a bola é levantada, está armado (acima, dobrado para trás e para o lado). Uma vez armada, a linha do ombro gira em torno de seu eixo e o braço de execução é alongado ao acertar a bola, fazendo um movimento para frente e para trás.

A mão deve estar aberta no momento do golpe. O local de contato da bola será dado pela perpendicular à direção do saque.

Assim que a bola é atingida, o braço continua seu movimento e a perna de trás passa para frente para equilibrar a posição. No saque do tênis podemos encontrar diferentes formas de realização:

  • Chute de flutuação: também pode ser feito com anzol. É baseado em um golpe seco da bola, evitando que ela gire. Isso fará com que a bola percorra um caminho irregular no ar, dificultando sua recepção.
  • Chute de rotação: o oposto do anterior. No momento de bater a mão faz um movimento de colher sobre a bola. É assim que a bola encurta sua trajetória abruptamente, surpreendendo o adversário.
  • Saque chinês: é o saque mais espetacular, embora não seja o mais eficaz, devido ao grande poder que está impresso e à dificuldade que isso implica na colocação do serviço e na sua segurança. É feito por meio de saltos, o que permite que a bola, ao ser atingida de uma altura maior, adquira uma trajetória descendente (semelhante a um tiro).

Chute de gancho

O jogador fica de lado para a rede ou ligeiramente torto. Os pés são separados e as pernas ligeiramente dobradas, facilitando a torção do tronco. A bola é segurada com a mão oposta ao chutador.

A bola deve ser lançada para cima, por cima e na frente da testa. Ao mesmo tempo, o tronco faz uma torção para fora para se recuperar rapidamente e acertar a bola.

Para dar mais força à bola, as pernas são estendidas e o tronco torce para o lado oposto, devido à velocidade do impulso.

Este saque requer grande técnica e suas características são velocidade e força.

Metodologia de serviço

Nas fases iniciais do aprendizado do voleibol, devem ser ensinados aqueles serviços que são mais fáceis e que permitem maior segurança ao jovem (saques por baixo).

Iremos introduzir gradativamente aqueles serviços com características técnicas mais complexas (por exemplo, o saque do tênis) e que tenham maior potência.

Remate

O remate é o elemento mais complexo do voleibol, já que tanto os problemas técnicos de rebatida quanto os táticos devem ser resolvidos no ar. Pode ser comparado a um chute a gol no futebol ou a uma cesta no basquete. No leilão é concentrada toda a ação ofensiva da equipe, tendo como objetivo atingir o gol ou recuperar a bola.

O remate tem de ser poderoso e direccionado para a zona que mais problemas cria para a equipa adversária. Nesta ação podemos distinguir quatro fases: correr, voar, bater e cair.

Carreira

Deve estar em aceleração progressiva. Normalmente, consiste em três etapas, as duas primeiras, curtas e lentas, e a última, mais longa e rápida. A direção do leilão é quase sempre oblíqua à rede (dependerá da área onde for atirada).

Os braços são trazidos de volta. Na última etapa você entra com o calcanhar-sola-do-pé. A corrida é iniciada com o pé oposto ao braço de chegada. O impulso se dá por meio da extensão energética das pernas e da ação dos braços, que se estendem para frente, para baixo e para cima.

Voar

O braço finalizador dobra para trás e o outro braço sobe reto procurando uma posição de equilíbrio. A partir dessa posição, começa a rotação dos ombros, em direção ao lado do braço que executa, e o corpo é arqueado para trás.

Acertar

A partir da posição de vôo adotada, inicia-se o movimento do braço executor, que vai de trás para a frente em busca da bola. O braço oposto desce naturalmente. O golpe é feito na altura máxima alcançada no salto. O pulso se encarrega de dar a direção ao leilão e que adquira a trajetória descendente.

Solta

As pernas, na queda, tocam o solo com o calcanhar e os joelhos flexionam para amortecer o golpe.

Metodologia

No início, devem ser dadas noções sobre os diferentes elementos que compõem o leilão. Os saltos devem ser realizados com a altura máxima e serão ensinados primeiro sem deslocamento.

No início, começaremos a ensinar-lhes tiros sem a presença da rede. Ao introduzir os leilões na rede, iremos primeiro realizá-los em situações fáceis (um único levantador que coloca a bola no mesmo local), de forma a complicá-los (diferentes formas de leilões antes de diferentes formas de passe ou colocação).

Antes de arremessar, o jogador deve visualizar a posição de defesa da equipe adversária e uma vez no ar deve ser capaz de observar a posição do bloqueio.

Assim, podemos distinguir os arremessos para a diagonal, para a perpendicular, entre bloqueio, contra bloqueio (para que toque nele e a bola saia), fingindo bloqueio para a direita ou esquerda, e assim por diante.

A finta às vezes é usada como uma surpresa técnica para o time adversário. Tem que ser produto da própria ação do jogo e não ser usado sistematicamente, pois o fator surpresa é perdido.

Erros mais frequentes

  • Não dando os passos adequados.
  • Descoordinación temporal con la pelota y el pase de colocación.
  • Não traga seus braços de volta na batida.
  • Toque na rede.
  • Desequilíbrio no ar e na queda.
  • Golpeie com o braço flexionado.

Bloqueio

O bloqueio nasceu como consequência do leilão de 1919. Surgiu primeiro como um conceito individual e depois permitiu o bloqueio coletivo de dois ou três jogadores.

O bloqueio torna mais fácil para outros jogadores se posicionarem em campo e colocarem a defesa mais oportuna. A partir de 1964, era permitido que na ação de bloqueio os braços pudessem ser ultrapassados ​​sobre a rede, criando assim um bloqueio ofensivo (o bloqueio, a princípio, é um elemento considerado de defesa).

A classificação do bloco é feita com base na quantidade de jogadores que o compõem: bloco individual, bloco duplo e bloco triplo. O que é feito mais durante uma partida é o dobro.

Para realizar o bloqueio, parte-se da posição fundamental, com os braços flexionados e próximos ao corpo. O jogador vai ficar perto da rede. No momento do bloqueio, ele estenderá as pernas e levantará os braços ao lado do corpo, para que não toquem na rede, cometendo uma falta.

Quando bloqueados, os braços ficam estendidos e para frente (sempre sem tocar a rede) e em uma posição firme. As mãos devem ser afastadas para cobrir mais espaço, mas sem deixar espaço entre elas para a bola passar.

No bloco coletivo, a separação entre os braços dos jogadores deve ser a mesma que entre as mãos, para evitar possíveis fissuras no bloco. Nesse tipo de bloqueio, os movimentos também são importantes, os quais devem permitir que os jogadores se posicionem juntos sem colidir.

Erros mais frequentes

  • Toque na rede.
  • Separação excessiva entre os braços.
  • Pule para longe da rede.
  • Pule antes do tempo.
  • Incoordenação entre os bloqueadores, colidindo uns com os outros.

Quedas e pratos

A queda é um elemento técnico que nos permite alcançar a bola quando o jogador já não consegue alcançá-la através dos movimentos. Entre as diferentes quedas distinguimos: para trás e laterais. Em ambos os tipos, trata-se de deixar cair o corpo, acertando durante a queda. No momento da queda, o jogador pode se equilibrar nas costas e recuperar a posição ou virar de costas.

Metodologia de quedas

Primeiro vamos começar do chão para aumentar a altura. Também no início serão realizados a partir de uma posição estática, para depois fazê-lo dinamicamente (com movimentos ou com ações anteriores).

As placas também permitem alcançar as bolas muito distantes do jogador.

Depois de vários passos de movimento, um impulso de um pé é feito para a frente em vez de para cima. O corpo ficará paralelo ao solo e os braços esticados para a frente. Após o golpe, os braços amortecem a queda, estendendo os braços e o tronco no momento do contato com o solo. Após este contato, o jogador se deixará deslizar pelo solo, com os braços estendidos ao longo do corpo.

Metodologia da placa

Na hora de rebater, você deve se preocupar em bater na bola e não em cair. Assim, iniciaremos a prancha em diferentes alturas e sobre esteiras, desenvolvendo a força dos braços para melhor amortecimento.

Aplicações táticas

Os diferentes tipos de recepção utilizados podem ser configurados com 2 a 5 jogadores. É interessante que o levantador não recebe.

Os ataques podem ser rápidos, típicos de jogadores não muito altos, e lentos, com passes muito altos e chutes poderosos.

Defensivamente, um bloqueio duplo ou triplo é usado, os outros jogadores cobrindo as áreas vulneráveis ​​restantes. Os sistemas defensivos são nomeados pelo número de jogadores por raia: 3-1-2, 3-2-1 (três bloqueadores) e assim por diante.


As pessoas também perguntam
Qual foi a história do voleibol?
Onde e quando surgiu o vôlei?
Qual a história do vôlei no Brasil?
O que é voleibol e suas regras?

VEJA TAMBÉM
Qual foi a história do voleibol?
O vôlei foi criado em 1895, pelo americano William G. Morgan, então diretor de educação física da Associação Cristã de Moços (ACM) na cidade de Holyoke, em Massachusetts, nos Estados Unidos. O primeiro nome deste esporte que viria se tornar um dos maiores do mundo foi mintonette.
Onde e quando surgiu o vôlei?
O vôlei foi criado nos Estados Unidos por um professor de educação física chamado William George Morgan, em 1895. Antes de inventar as primeiras regras, o seu principal objetivo era desenvolver um esporte em que os jogadores tivessem pouco contato físico entre eles.
Qual a história do vôlei no Brasil?
O voleibol - ou vôlei - chegou no Brasil no ano de 1915. Não se sabe ao certo quem trouxe o esporte ao país, mas foi nesse ano que aconteceu a primeira partida de vôlei na cidade de Recife, Pernambuco. No entanto, o esporte, que hoje é muito difundido no país, somente começou a ganhar força em 1923.
O que é voleibol e suas regras?
O Voleibol é um esporte executado em uma quadra com duas equipes separadas por uma rede, e seu objetivo é colocar a bola no chão da equipe adversária. Para isso, a sua principal característica é o uso das mãos. ... A bola no chão da quadra adversária equivalia a um ponto para o seu time.